Saúde

O que realmente acontece com as mulheres que abortam?

Um recente artigo publicado no New York Times revela inúmeros erros científicos

SHARES
COMMENTS
First one is free... so are the rest. Daily.



By submitting above you agree the Aleteia privacy policy
Like Aleteia

21.06.2013
What really happens to women who have abortions? CC The Eternal Gold Braid
Em 12 de junho, o New York Times publicou um artigo de Joshua Lang, "O que acontece às mulheres a quem o aborto é negado?". Lang faz parte do Programa Médico conjunto da UC Berkley’s Joint Medical Program, uma pós-graduação de cinco anos na área médica.
 
Infelizmente, o desejo de Lang de incentivar uma agenda política foi, aparentemente, a força mais saliente atrás de sua peça de má qualidade. Como muitos antes dele, Lang tenta ignorar mais de 100 estudos que revelam um aumento do risco de problemas de saúde mental, concentrando-se em um único estudo que ainda precisa ser revisado. Lang me entrevistou no ano passado por mais de uma hora e ele entendeu claramente como a ciência funciona.
 
Segundo Lang, "não há nenhuma pesquisa confiável para apoiar a síndrome pós-aborto, como um relatório publicado pela Associação Americana de Psicologia (APA), em 2008, deixou claro. No entanto, este conceito influenciou leis restritivas em muitos Estados".
 
Esta declaração, na verdade, indiretamente, afirma a força da evidência publicada sobre o aborto como um fator de risco para problemas de saúde mental, porque as provas apresentadas nos tribunais continua superando as conclusões da APA.
 
A grande maioria dos estudos sobre as implicações psicológicas do aborto não aborda a "síndrome pós-aborto". Em vez disso, pesquisadores examinam o aborto como um fator de risco para doenças mentais que são identificadas pelas organizações profissionais tradicionais.
 
Os resultados de centenas de estudos publicados nos principais periódicos da medicina e da psicologia ao longo das últimas três décadas indicam que o aborto é um fator que contribui substancialmente para problemas de saúde mental das mulheres, incluindo depressão, ansiedade, transtornos por uso de substâncias, pensamentos e comportamentos suicidas. Esta evidência influenciou a legislação sobre o consentimento informado em muitos Estados.
 
Uma crítica ao relatório da APA de 2008 foi publicada no site do World Expert Consortium for Abortion Research and Education (WECARE), um grupo de 10 cientistas credenciados trabalhando para trazer informações precisas para um público em extrema necessidade de fatos baseados em evidências sobre o aborto.
 
Entre dezenas de outros estudos revisados por pares, Lang ignora os resultados de uma meta-análise, intitulado "Aborto e saúde mental: síntese quantitativa e análise de pesquisas publicadas entre 1995 e 2009", que publiquei no British Journal of Psychiatry (BJP) em 2011.
 
Meta-análises têm muito mais credibilidade do que os resultados de estudos empíricos individuais ou revisões narrativas, como no caso do relatório da APA 2008. Em uma meta-análise, a contribuição ou a ponderação de qualquer estudo particular para o resultado final é baseada em critérios científicos objetivos (tamanho da amostra e a força do efeito), em oposição à opinião do indivíduo sobre o que constitui um estudo forte.
 
A amostra consistiu de 22 estudos do BJP e 877.297 participantes (163.880 fizeram um aborto). Os resultados revelaram que as mulheres que tinham abortado apresentavam um risco 81% maior de ter problemas de saúde mental. Quando comparado especificamente com a gravidez indesejada, as mulheres apresentaram 55% de risco de sofrer problemas de saúde mental. Esta avaliação oferece a maior estimativa quantitativa disponível no mundo dos riscos de saúde mental associados ao aborto.
 
Muitas mulheres que tomam a decisão de abortar o fazem sem uma profunda compreensão do procedimento. Uma série de estudos revisados ​​por especialistas revelaram que, quando a mulher é informada ou quando é negada alguma informação relevante, as dificuldades pós-aborto aumentam.
 
Além disso, há evidências consideráveis ​​de que uma elevada porcentagem de mulheres que vão a clínicas de aborto estão em conflito sobre a escolha. Em outro estudo que publiquei com colegas no Journal of Medical Ethics, descobrimos que 95% de um grupo sociodemográfico diverso de mulheres gostaria de ser informado sobre todas as possíveis complicações associadas a medicamentos, cirurgias e/ou outras formas de tratamentos eletivos, incluindo o aborto.
 
Lang também oferece a declaração enganosa de que "a maioria dos estudos sobre os efeitos do aborto compara as mulheres que abortam com aquelas que optam por levar a gravidez a termo". Isso ignora o fato de que um mínimo de oito estudos revisados por pares incluíram, como grupo de comparação, as mulheres que tiveram uma gravidez indesejada. Muitos estudos adicionais incluíram mulheres que não engravidaram ou tiveram um aborto espontâneo como um grupo de comparação.
 
Lang coloca grande ênfase na Diana Foster’s Turnaway Study, que é apresentado como superior a todos os estudos já existentes. Mas o estudo Turnaway tem falhas gritantes. Em primeiro lugar, menos de um terço das mulheres que foram abordadas para participar concordou em fazê-lo. Isso é inaceitável, porque aquelas que concordaram podem ter diferido sistematicamente daqueles que desistiram. O consentimento para participar deve ser de pelo menos 70%.
 
Em segundo lugar, o grupo de mulheres que fizeram ou às quais foi negado o aborto nos limites gestacionais incluiu mulheres para quem o cut-off legal variou de 10 semanas até o final do segundo trimestre, ou 27 semanas. Esta não é uma variável que pode ser vagamente definida, já que há uma riqueza de dados que indicam que o impacto psicológico do aborto é diferente entre o primeiro e o segundo trimestres. Mulheres abortando em momentos tão diferentes da gestação não podem ser agrupadas.
 
Lang afirma que "as mulheres citaram não saber da gravidez, viagens, custos do processo, problemas com o plano de saúde e não saber onde encontrar o serviço como motivos mais comuns para o atraso" na realização do aborto. Na verdade, a melhor razão documentada para o atraso é a ambivalência sobre a decisão.
 
Lang também diz que as mulheres que procuram abortos no segundo trimestre "tendem a estar particularmente vulneráveis, dadas as dificuldades de encontrar uma clínica adequada e o custo elevado de um procedimento tardio". Sim, elas são particularmente vulneráveis, mas a razão principal é que os riscos físicos e psicológicos aumentam exponencialmente com decisões tardias quanto ao aborto.
 
Mas a afirmação mais terrível em todo o artigo citado por Lang de é que "abortos tardios são significativamente mais seguros do que o parto". Os riscos do aborto tardio para o bem-estar físico estão bem documentados.
 
Por exemplo, usando dados nacionais, Bartlett e colegas relataram em 2004 que o risco relativo de mortalidade por aborto foi de 14,7% em 13-15 semanas de gestação, 29,5% em 16-20 semanas, e 76,6% em ou após 21 semanas. Isso se compara a uma taxa de 12,1% para o parto. Bartlett informou que as causas de morte durante o segundo trimestre incluíam hemorragia, infecção, embolia, complicações anestésicas, eventos cardíacos e cerebrovasculares.
 
Como acadêmicos, políticos e advogados debatem a literatura psicológica e médica pós-aborto, a rota mais conveniente para a verdade talvez seja a voz das próprias mulheres. Uma mulher a quem foi negado um aborto disse o Sr. Lang sobre a filha: "Ela é mais do que o minha melhor amiga, mais do que o amor da minha vida; ela é o meu mundo". O estudo Turnaway, utilizando uma metodologia seriamente falha, provavelmente vai silenciar a maioria dessas vozes e perpetuar o sofrimento das mulheres nas clínicas de aborto.
 
(Publicado originalmente no MercadoNet em 18 de junho de 2013)

Em 12 de junho, o New York Times publicou um artigo de Joshua Lang, "O que acontece às mulheres a quem o aborto é negado?". Lang faz parte do Programa Médico conjunto da UC Berkley’s Joint Medical Program, uma pós-graduação de cinco anos na área médica.
 
Infelizmente, o desejo de Lang de incentivar uma agenda política foi, aparentemente, a força mais saliente atrás de sua peça de má qualidade. Como muitos antes dele, Lang tenta ignorar mais de 100 estudos que revelam um aumento do risco de problemas de saúde mental, concentrando-se em um único estudo que ainda precisa ser revisado. Lang me entrevistou no ano passado por mais de uma hora e ele entendeu claramente como a ciência funciona.
 
Segundo Lang, "não há nenhuma pesquisa confiável para apoiar a síndrome pós-aborto, como um relatório publicado pela Associação Americana de Psicologia (APA), em 2008, deixou claro. No entanto, este conceito influenciou leis restritivas em muitos Estados".
 
Esta declaração, na verdade, indiretamente, afirma a força da evidência publicada sobre o aborto como um fator de risco para problemas de saúde mental, porque as provas apresentadas nos tribunais continua superando as conclusões da APA.
 
A grande maioria dos estudos sobre as implicações psicológicas do aborto não aborda a "síndrome pós-aborto". Em vez disso, pesquisadores examinam o aborto como um fator de risco para doenças mentais que são identificadas pelas organizações profissionais tradicionais.
 
Os resultados de centenas de estudos publicados nos principais periódicos da medicina e da psicologia ao longo das últimas três décadas indicam que o aborto é um fator que contribui substancialmente para problemas de saúde mental das mulheres, incluindo depressão, ansiedade, transtornos por uso de substâncias, pensamentos e comportamentos suicidas. Esta evidência influenciou a legislação sobre o consentimento informado em muitos Estados.
 
Uma crítica ao relatório da APA de 2008 foi publicada no site do World Expert Consortium for Abortion Research and Education (WECARE), um grupo de 10 cientistas credenciados trabalhando para trazer informações precisas para um público em extrema necessidade de fatos baseados em evidências sobre o aborto.
 
Entre dezenas de outros estudos revisados por pares, Lang ignora os resultados de uma meta-análise, intitulado "Aborto e saúde mental: síntese quantitativa e análise de pesquisas publicadas entre 1995 e 2009", que publiquei no British Journal of Psychiatry (BJP) em 2011.
 
Meta-análises têm muito mais credibilidade do que os resultados de estudos empíricos individuais ou revisões narrativas, como no caso do relatório da APA 2008. Em uma meta-análise, a contribuição ou a ponderação de qualquer estudo particular para o resultado final é baseada em critérios científicos objetivos (tamanho da amostra e a força do efeito), em oposição à opinião do indivíduo sobre o que constitui um estudo forte.
 
A amostra consistiu de 22 estudos do BJP e 877.297 participantes (163.880 fizeram um aborto). Os resultados revelaram que as mulheres que tinham abortado apresentavam um risco 81% maior de ter problemas de saúde mental. Quando comparado especificamente com a gravidez indesejada, as mulheres apresentaram 55% de risco de sofrer problemas de saúde mental. Esta avaliação oferece a maior estimativa quantitativa disponível no mundo dos riscos de saúde mental associados ao aborto.
 
Muitas mulheres que tomam a decisão de abortar o fazem sem uma profunda compreensão do procedimento. Uma série de estudos revisados ​​por especialistas revelaram que, quando a mulher é informada ou quando é negada alguma informação relevante, as dificuldades pós-aborto aumentam.
 
Além disso, há evidências consideráveis ​​de que uma elevada porcentagem de mulheres que vão a clínicas de aborto estão em conflito sobre a escolha. Em outro estudo que publiquei com colegas no Journal of Medical Ethics, descobrimos que 95% de um grupo sociodemográfico diverso de mulheres gostaria de ser informado sobre todas as possíveis complicações associadas a medicamentos, cirurgias e/ou outras formas de tratamentos eletivos, incluindo o aborto.
 
Lang também oferece a declaração enganosa de que "a maioria dos estudos sobre os efeitos do aborto compara as mulheres que abortam com aquelas que optam por levar a gravidez a termo". Isso ignora o fato de que um mínimo de oito estudos revisados por pares incluíram, como grupo de comparação, as mulheres que tiveram uma gravidez indesejada. Muitos estudos adicionais incluíram mulheres que não engravidaram ou tiveram um aborto espontâneo como um grupo de comparação.
 
Lang coloca grande ênfase na Diana Foster’s Turnaway Study, que é apresentado como superior a todos os estudos já existentes. Mas o estudo Turnaway tem falhas gritantes. Em primeiro lugar, menos de um terço das mulheres que foram abordadas para participar concordou em fazê-lo. Isso é inaceitável, porque aquelas que concordaram podem ter diferido sistematicamente daqueles que desistiram. O consentimento para participar deve ser de pelo menos 70%.
 
Em segundo lugar, o grupo de mulheres que fizeram ou às quais foi negado o aborto nos limites gestacionais incluiu mulheres para quem o cut-off legal variou de 10 semanas até o final do segundo trimestre, ou 27 semanas. Esta não é uma variável que pode ser vagamente definida, já que há uma riqueza de dados que indicam que o impacto psicológico do aborto é diferente entre o primeiro e o segundo trimestres. Mulheres abortando em momentos tão diferentes da gestação não podem ser agrupadas.
 
Lang afirma que "as mulheres citaram não saber da gravidez, viagens, custos do processo, problemas com o plano de saúde e não saber onde encontrar o serviço como motivos mais comuns para o atraso" na realização do aborto. Na verdade, a melhor razão documentada para o atraso é a ambivalência sobre a decisão.
 
Lang também diz que as mulheres que procuram abortos no segundo trimestre "tendem a estar particularmente vulneráveis, dadas as dificuldades de encontrar uma clínica adequada e o custo elevado de um procedimento tardio". Sim, elas são particularmente vulneráveis, mas a razão principal é que os riscos físicos e psicológicos aumentam exponencialmente com decisões tardias quanto ao aborto.
 
Mas a afirmação mais terrível em todo o artigo citado por Lang de é que "abortos tardios são significativamente mais seguros do que o parto". Os riscos do aborto tardio para o bem-estar físico estão bem documentados.
 
Por exemplo, usando dados nacionais, Bartlett e colegas relataram em 2004 que o risco relativo de mortalidade por aborto foi de 14,7% em 13-15 semanas de gestação, 29,5% em 16-20 semanas, e 76,6% em ou após 21 semanas. Isso se compara a uma taxa de 12,1% para o parto. Bartlett informou que as causas de morte durante o segundo trimestre incluíam hemorragia, infecção, embolia, complicações anestésicas, eventos cardíacos e cerebrovasculares.
 
Como acadêmicos, políticos e advogados debatem a literatura psicológica e médica pós-aborto, a rota mais conveniente para a verdade talvez seja a voz das próprias mulheres. Uma mulher a quem foi negado um aborto disse o Sr. Lang sobre a filha: "Ela é mais do que o minha melhor amiga, mais do que o amor da minha vida; ela é o meu mundo". O estudo Turnaway, utilizando uma metodologia seriamente falha, provavelmente vai silenciar a maioria dessas vozes e perpetuar o sofrimento das mulheres nas clínicas de aborto.
 
(Publicado originalmente no MercadoNet em 18 de junho de 2013)

new-topic
Não perca as melhores histórias de cada dia.
Receba grátis por email o nosso resumo diário.





Comentários
Não perca as melhores histórias de cada dia.
Receba grátis por email o nosso resumo diário.

; ;
Não perca as melhores histórias de cada dia.
Receba grátis por email o nosso resumo diário.



Seja Parceiro