Estilo de vida 26.07.2013

26 de junho, Dia dos Avós: renovar o amor e a confiança

A distância não pode levar ao esquecimento e à falta de carinho com relação aos avós, que tanto nos ensinam e enriquecem

Dom Amadeo Rodríguez
SHARES
COMMENTS
First one is free... so are the rest. Daily.



By submitting above you agree the Aleteia privacy policy
Like Aleteia

Dom Amadeo Rodríguez
26.07.2013
Patrice
THEBAULT/CIRIC
Começo a escrever sobre os avós e imediatamente percebo que este é um tema maravilhoso e que, além disso, é justo que, ao chegar seu dia, digamos sobre eles palavras de gratidão e homenagem.

No entanto, também descubro que não é fácil abordar este tema, porque são muitos os aspectos que é preciso levar em consideração quando falamos daqueles que centram o amor e o respeito da família – pelo menos da família cristã.

Eu gostaria, de coração, que a nenhum avô ou avó, em qualquer outra maneira de conceber a família, faltasse o carinho dos seus.

Os franceses denominam os avós com um termo, a meu ver, belíssimo e, sobretudo, significativo: grand-père. Dessa maneira, a paternidade envolve toda a família; pelos avós, toda a família é acolhida e amada: filhos, netos, bisnetos...

Por eles, quando estão bem situados no entorno familiar, flui o mais genuíno da vida familiar, que é o amor, que, nos avós, tem uma concentração especial por parte de todos os membros da família: eles o transmitem e eles o recebem. Poderíamos dizer que ser avô ou avó é um dom precioso para toda a família.

É evidente que esta descrição idílica felizmente ainda pode ser vista em muitas famílias; no entanto, também é verdade que, em outros muitos casos, esta sintonia de todos os membros da família no amor e no respeito é rompida.

As condições de vida desta sociedade moderna, ainda que esta seja cada vez mais sensível às suas necessidades, também fazem que os idosos se tornem vítimas, sobretudo do desamor, que é a pior das carências.

Ainda compreendendo que, em muitos casos, as residências e lares das administrações públicas, da Igreja ou de particulares sejam uma solução idônea para a atenção dos avós; no entanto, isso não pode ser um pretexto para deixá-los de lado. Em qualquer circunstância, os idosos não podem ficar sem o carinho dos seus familiares.

A distância não pode ser a causa do esquecimento e da falta de carinho, assim como as condições de vida, como o trabalho dos filhos ou a situação da moradia não podem ser uma justificativa fácil para abandoná-los.

O dia 26 de julho, festividade de São Joaquim e Santa Ana, avós de Jesus, é uma boa oportunidade para homenagear aqueles que merecem todo o nosso respeito e gratidão. É um dia propício para renovar o que um dia pudemos sentir com relação aos nossos avós: muito amor e muita confiança.

O que sentimos quando crianças deve voltar a florescer no coração, com mais força ainda, ao longo de toda a vida. E mais: deveria florescer especialmente quando nos vemos mais limitados e impotentes. Filhos e netos têm de se reencontrar com a gratidão e a compreensão quando constatam o declínio dos seus idosos.

É então que se há de reconhecer que o “grande pai” e a “grande mãe”, avô e avó, ofereceram aos seus filhos e netos, quando precisaram deles, o melhor de si mesmos: até chegar onde estão hoje, foi muito o que fizeram, e sempre em fidelidade à vocação de ser pessoas úteis na sociedade com seu trabalho, de ser pais com o dom da vida, e com a educação generosa dos seus filhos, até que estes pudessem trilhar seu próprio caminho.

Quanto aos seus netos, todos nós sabemos que, na época atual, muitos avós inclusive assumem o cuidado e a educação das crianças, devido ao trabalho dos pais. Fazem isso, aliás, com muito prazer e com uma generosidade excepcional.

E o que fazem maravilhosamente bem é a educação cristã dos netos em seus primeiros passos. Se hoje as crianças chegam à catequese com certo despertar da sua fé, é porque seus avós as iniciaram nas primeiras orações, nos primeiros gestos, nas primeiras atitudes, e porque os avós pronunciaram para elas as primeiras palavras de fé.

Acima de tudo, os netos sabem, pelos avós, o que é o amor a Deus e o respeito à sua vontade.

Por tudo o que foram e por tudo o que são, especialmente pelo que representam para muitas famílias nesta época de crise, os avós merecem uma lembrança especial neste dia em que recordamos o testemunho belíssimo dos avós de Jesus.

Joaquim e Ana cuidaram da criação e educação de Maria, sua filha, e isso influenciou definitivamente na criação e na educação que, tanto ela como José, deram a esse maravilhoso Menino chamado Jesus, que crescia em sabedoria e graça diante de Deus e dos homens.
sources: SIC
Começo a escrever sobre os avós e imediatamente percebo que este é um tema maravilhoso e que, além disso, é justo que, ao chegar seu dia, digamos sobre eles palavras de gratidão e homenagem.

No entanto, também descubro que não é fácil abordar este tema, porque são muitos os aspectos que é preciso levar em consideração quando falamos daqueles que centram o amor e o respeito da família – pelo menos da família cristã.

Eu gostaria, de coração, que a nenhum avô ou avó, em qualquer outra maneira de conceber a família, faltasse o carinho dos seus.

Os franceses denominam os avós com um termo, a meu ver, belíssimo e, sobretudo, significativo: grand-père. Dessa maneira, a paternidade envolve toda a família; pelos avós, toda a família é acolhida e amada: filhos, netos, bisnetos...

Por eles, quando estão bem situados no entorno familiar, flui o mais genuíno da vida familiar, que é o amor, que, nos avós, tem uma concentração especial por parte de todos os membros da família: eles o transmitem e eles o recebem. Poderíamos dizer que ser avô ou avó é um dom precioso para toda a família.

É evidente que esta descrição idílica felizmente ainda pode ser vista em muitas famílias; no entanto, também é verdade que, em outros muitos casos, esta sintonia de todos os membros da família no amor e no respeito é rompida.

As condições de vida desta sociedade moderna, ainda que esta seja cada vez mais sensível às suas necessidades, também fazem que os idosos se tornem vítimas, sobretudo do desamor, que é a pior das carências.

Ainda compreendendo que, em muitos casos, as residências e lares das administrações públicas, da Igreja ou de particulares sejam uma solução idônea para a atenção dos avós; no entanto, isso não pode ser um pretexto para deixá-los de lado. Em qualquer circunstância, os idosos não podem ficar sem o carinho dos seus familiares.

A distância não pode ser a causa do esquecimento e da falta de carinho, assim como as condições de vida, como o trabalho dos filhos ou a situação da moradia não podem ser uma justificativa fácil para abandoná-los.

O dia 26 de julho, festividade de São Joaquim e Santa Ana, avós de Jesus, é uma boa oportunidade para homenagear aqueles que merecem todo o nosso respeito e gratidão. É um dia propício para renovar o que um dia pudemos sentir com relação aos nossos avós: muito amor e muita confiança.

O que sentimos quando crianças deve voltar a florescer no coração, com mais força ainda, ao longo de toda a vida. E mais: deveria florescer especialmente quando nos vemos mais limitados e impotentes. Filhos e netos têm de se reencontrar com a gratidão e a compreensão quando constatam o declínio dos seus idosos.

É então que se há de reconhecer que o “grande pai” e a “grande mãe”, avô e avó, ofereceram aos seus filhos e netos, quando precisaram deles, o melhor de si mesmos: até chegar onde estão hoje, foi muito o que fizeram, e sempre em fidelidade à vocação de ser pessoas úteis na sociedade com seu trabalho, de ser pais com o dom da vida, e com a educação generosa dos seus filhos, até que estes pudessem trilhar seu próprio caminho.

Quanto aos seus netos, todos nós sabemos que, na época atual, muitos avós inclusive assumem o cuidado e a educação das crianças, devido ao trabalho dos pais. Fazem isso, aliás, com muito prazer e com uma generosidade excepcional.

E o que fazem maravilhosamente bem é a educação cristã dos netos em seus primeiros passos. Se hoje as crianças chegam à catequese com certo despertar da sua fé, é porque seus avós as iniciaram nas primeiras orações, nos primeiros gestos, nas primeiras atitudes, e porque os avós pronunciaram para elas as primeiras palavras de fé.

Acima de tudo, os netos sabem, pelos avós, o que é o amor a Deus e o respeito à sua vontade.

Por tudo o que foram e por tudo o que são, especialmente pelo que representam para muitas famílias nesta época de crise, os avós merecem uma lembrança especial neste dia em que recordamos o testemunho belíssimo dos avós de Jesus.

Joaquim e Ana cuidaram da criação e educação de Maria, sua filha, e isso influenciou definitivamente na criação e na educação que, tanto ela como José, deram a esse maravilhoso Menino chamado Jesus, que crescia em sabedoria e graça diante de Deus e dos homens.
Avaliação
Não perca as melhores histórias de cada dia.
Receba grátis por email o nosso resumo diário.



Comentários
Seja Parceiro